Marketing Pessoal: os 7 segredos que farão sua carreira decolar

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, não basta que o profissional tenha conhecimento técnico para se destacar. Para isso, é fundamental que você desenvolva o seu Marketing Pessoal.

Mas, afinal, o que é Marketing Pessoal?

Marketing Pessoal é um conjunto de estratégias que buscam dar destaque para suas características profissionais e pessoais.

Não se trata de criar um “perfil fake”, mas de ressaltar os aspectos mais relevantes da sua personalidade e do trabalho que você está desenvolvendo. Com as estratégias certas de promoção pessoal, você será capaz de se destacar, independentemente da área de trabalho.

Se você ainda não sabe como fazer seu marketing pessoal e como tirar vantagens dessas estratégias, veja essas dicas que eu preparei para você e comece agora a transformar sua vida e sua carreira!

A Importância do Marketing Pessoal

Imagine a seguinte situação: Carlos é um empreendedor com uma vasta experiência. Durante anos, ele procurou se qualificar para alcançar melhores resultados em seu negócio e, por isso, desenvolveu habilidades fundamentais para a sua posição no mercado de trabalho. Apesar disso, ele nunca conseguiu se destacar no meio dos outros profissionais da área.

Então ele percebeu que havia outros profissional no mesmo nível que o seu, ou até menos capacitados, que chamavam mais atenção no mercado de trabalho. E isso só acontecia porque eles conseguiam promover a sua própria imagem.

A história do Carlos é uma ficção que usei para ilustrar a importância do Marketing Pessoal na nossa vida. Mas todos nós conhecemos um “Carlos”, não? Talvez nós até sejamos o Carlos.

É fácil perceber que, nos dias de hoje, saber promover a sua própria imagem costuma ser mais importante do que o conhecimento técnico.

O mercado de trabalho está repleto de grandes nomes em todos os segmentos, então, para se destacar, é muito importante que você mostre o porquê você é superior aos outros, qual seu diferencial, no que você é o melhor.

Através do Marketing Digital, o profissional é capaz de desenvolver a sua imagem pública, fazendo com que ela seja cada vez mais atrativa para futuros empregadores.

Para quem é empreendedor, o investimento em Marketing Pessoal é ainda mais importante. Como diz o ditado, você nunca tem uma segunda chance de causar uma boa primeira impressão.

Quanto mais você trabalha a sua imagem, maiores as chances de seu negócio ser notado não só pelo mercado em si, mas também por aqueles que são os mais importantes: seus clientes em potencial.

Ok, mas como melhorar meu Marketing Pessoal?

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que o Marketing Pessoal não melhora do dia para noite. Você precisa estabelecer uma série de hábitos a serem seguidos.

É por isso que o trabalho deve ser contínuo, com coerência e consistência, para que você possa transmitir essa confiança para todos a sua volta. Profissionais de sucesso sabem muito bem a importância de apresentar uma imagem bem construída para que eles possam ser lembrados e tidos como “autoridades” em determinado assunto.

Pensando em tudo isso, eu preparei algumas dicas que irão te ajudar a se promover melhor. Como eu disse, o trabalho é árduo, mas se você utilizar o método certo e aplicar as estratégias com dedicação, você chegará lá.

  1. Participe de eventos em sua área

Uma das formas mais eficientes de se autopromover é participar com frequência de eventos relacionados com sua área de trabalho. Isso é importante porque esses eventos fortalecem o networking e te apresentam pessoas que podem te ajudar muito no futuro.

Não importa em qual área você atua, preste atenção em todas as oportunidades que acontecerem perto de você (ou, se possível, longe também). Essa pode ser a oportunidade de se conectar com outros profissionais da área e abrir muitas portas para futuras parcerias.

  1. Preste muita atenção no seu LinkedIn!

Quando se trata de mídias sociais, o LinkedIn é a que mais se destaca no assunto Marketing Pessoal. Mas, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, ele é muito mais do que um site para networking entre profissionais.

O Linkedin torna possível que você estabeleça conexões com outros profissionais, facilitando a vida de quem procura, por exemplo, um parceiro de negócio.

Para se destacar nessa rede social, é muito importante que você mantenha seu perfil sempre atualizado. Mais do que simplesmente criar uma conta, você precisa investir um bom tempo construindo um perfil com as informações mais relevantes sobre você e seu trabalho.

Por exemplo, se você for um YouTuber, você pode compartilhar links para seus vídeos e, se possível, produzir um conteúdo específico para as pessoas daquela plataforma.

  1. Tenha um blog para ganhar autoridade no tema

Os blogs são uma ferramenta incrível para te ajudar a vender sua própria imagem.

Tenha um blog que mostre para os leitores o que você faz. Crie conteúdo relevante que inspire as pessoas e te ajude a ter um público-alvo.

Quanto mais valor você gerar para seus leitores – seja em texto ou em outros materiais, mais rápido você vai desenvolver a sua imagem.

  1. Vá além do seu escopo de trabalho

Muitos profissionais altamente qualificados perdem relevância no mercado por se limitarem a seu campo de trabalho, a a sua zona de conforto. Para que você desenvolva seu Marketing Pessoal de forma satisfatória, é importante que você vá além do seu trabalho comum. Isso significa que você tem que fazer mais do que a mera descrição do seu cargo informa.

  1. Receba o crédito pelo que você faz

Um dos maiores e mais comuns erros que vemos hoje em dia é quando profissionais, ainda mais os novatos, deixam de receber o devido crédito por algo que fazem.

O Marketing Pessoal depende do jeito que você se posiciona no mercado. Toda vez que você fizer por merecer, garanta que irá receber o crédito por isso, celebre sua vitória e dê o destaque necessário ao seu sucesso.

Só tome cuidado para que você faça isso de uma maneira natural e sem desmerecer outra pessoa na sua equipe, porque há uma linha muito tênue entre ser confiante e ser arrogante.

  1. Tenha projetos extracurriculares

Para apresentar uma boa imagem de si mesmo, é interessante que você invista um tempo em atividades extracurriculares. Isso está muito ligado à dica nº 4. Aprender cada vez mais sobre os mais diversos tópicos, descobrir tendências e interagir com profissionais de outra área – tudo isso fará com que você ganhe notoriedade. Além disso, atividades extracurricular permitem que você adicione pontos diferenciais no seu currículo.

  1. Procure se especializar

Você pode ser um excelente profissional na sua área de trabalho, mas há sempre algo novo para aprender. Por isso você deve sempre buscar novas especializações para evitar que você acabe ficando para trás. Isso se aplica de forma mais intensa para mercados que estão em constante evolução, como o setor de tecnologia, por exemplo.

Siga blogs e tenha ídolos para se espelhar em sua área. Procure por novas ferramentas, softwares, aplicativos. Busque sempre apresentar um update de si mesmo.

Próximo nível:

Se você possui interesse no assunto e quer saber mais, acesse www.guiadaoratoria.com e leia diversas outras dicas para você melhorar sua confiança, perder a timidez, acabar de uma vez com o medo de falar em público.

Oratória: o que é e por que você precisa dela para sobreviver?

Você já deve ter escutado a palavra “oratória” milhares de vezes, mas é muito provável que jamais tenha parado para pensar no que ela realmente significa. Afinal, o que é oratória? De uma forma bem simples, é a arte de falar em público para atingir um determinado objetivo. Na prática, podemos definir oratória como as habilidades que diferenciam um discurso comum de um inesquecível.

Por isso, façamos a primeira reflexão: não basta somente falar bem em público, mas é preciso atingir uma intenção prévia. Ou seja, de todas essas ponderações iniciais, é possível concluir que só falar não basta, é preciso ir além. Vou te explicar! Falar com eloquência é falar com desenvoltura, demonstrando conhecimento e domínio do tema abordado. Na prática, oratória é a soma de três aspectos: linguagem corporal, linguagem verbal e uma mensagem bem estruturada.

Dito isso, há uma série de possíveis objetivos que podem ser atingidos através da oratória: educar, informar, motivar, entreter, comunicar, entre outros. A questão principal é a seguinte: se, independentemente do motivo escolhido, ao final da sua fala, seu objetivo não for atingido, isso significa que a sua oratória precisa ser melhorada urgentemente.

O tripé da oratória – Corpo, Fala e Mensagem

O primeiro tópico do tripé da oratória é a linguagem corporal. Ao contrário do que muitos acreditam, não basta sair gesticulando e balançando o corpo para lá e para cá para falar com uma boa linguagem corporal. Para isso, é preciso prestar atenção no jeito de olhar, na forma como você movimenta sua mão, como você caminha e o espaço que você ocupa no momento da fala: o modo como seu corpo se expressa diz muito sobre você – e seu público irá perceber isso, ainda que de forma inconsciente.

Em segundo lugar, temos a linguagem verbal, que nada mais é do que a fala em si. Uma boa fala precisa de excelente entonação, ritmo, ênfase e, obviamente, uma boa dicção. É preciso que suas palavras fluam e tenham dinâmica. Pense no seu discurso como uma trilha sonora de um filme: há momentos de calmaria, de suspense, de agitação, o clímax e o final feliz. Tudo isso depende do modo como você utiliza as palavras.

Por fim, a mensagem. Esse é o ponto principal do seu discurso. Sim, é possível que alguém com uma excelente oratória consiga enrolar uma multidão por horas sem falar absolutamente nada relevante, mas esse não é o ponto aqui. Imagino que, se você está lendo isto, é porque quer chegar a algum lugar, expor melhor suas ideias, convencer mais clientes, conseguir aquela tão sonhada promoção. É por isso que você precisa prestar muita atenção à mensagem que deseja passar.

Para transmitir uma boa mensagem, é fundamental que suas ideias estejam bem organizadas. Por isso é importante que, antes de iniciar a fala, você tenha toda a estrutura em sua cabeça (ou, ainda, em um pedaço de papel à sua frente). Não estou falando que é preciso decorar palavra por palavra o seu texto, mas, no mínimo, saber a ordem dos tópicos que serão abordados e pensar em uma forma de conectá-los, deixando sua mensagem transparecer de forma coerente e coesa.

Pare e pense comigo. Quando você vai assistir a uma palestra, a uma aula ou mesmo a um vídeo no YouTube, o que te chama atenção? Assim como eu, você certamente já percebeu que é muito mais prazeroso e fácil de prestar atenção quando a pessoa fala com entusiasmo, com empolgação, demonstrando ter paixão pelo assunto abordado. É isso que te faz querer continuar assistindo e escutando o que ela tem a ouvir. Para entender melhor isso, é só lembrar daquela sua professora de matemática da sexta série e de como era “empolgante” ficar dois tempos seguidos escutando ela falar sobre fórmula de báskara e a importância do cosseno. Nada legal, certo? Não havia empolgação, faltava entusiasmo, o que, por sua vez, te fazia perder toda a atenção.

Ter entusiasmo significa transmitir sentimento com a fala e, com isso, você aumenta seu poder de convencimento e se torna agradável de ouvir, conseguindo prender a atenção de seu público. Não se engane ao pensar que alguém nasce com uma boa oratória. Há uma série de técnicas para isso. Basta encontrar o método certo e dedicar ao estudo e treino da oratória.

Por que você precisa de uma boa oratória?

Você deve estar pensando “ok, eu entendi, mas eu não quero dar palestras ou me tornar um Youtuber famoso. Então por que eu preciso estudar oratória?”. Como disse o poeta inglês John Donne, “nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte de um continente”. Por isso, interagir com outras pessoas faz parte da nossa rotina e, consequentemente, é um lado essencial da nossa vida profissional.

Vou te dar um exemplo. Em uma entrevista de emprego, quando o recrutador te pergunta sobre você, o que você responde? Vai dizer somente que se formou na faculdade tal no ano 2000, que fez especialização não sei onde e trabalhou não sei com quem? Ok, essas informações são importantes, mas uma boa empresa vai se preocupar não só com sua formação, mas também com suas características mais íntimas, com sua personalidade, com sua capacidade de interagir e de se relacionar com outras pessoas. Por isso, eles também querem saber se você possui entusiasmo, dedicação, se é responsável, comprometido, quais tipos de experiência de vida você já teve. A entrevista de emprego é um momento perfeito para ilustrar o porquê da relevância em ter uma oratória, mas os exemplos não param por aí.

Imagine um outro cenário. Você trabalha em uma boa empresa a um tempo considerável, todo mundo te respeita e sabe que você é sério e comprometido. Você tem consciência disso e, por isso, deseja muito aquela tão sonhada promoção e finalmente passar a ser chamado de “chefe”. Nesse ponto, você deve parar e se perguntar “como está a minha oratória?”. Não entendeu a relação? Eu explico. Um bom líder deve ter, sem sombra de dúvidas, uma capacidade de gerenciar pessoas, de liderar, transmitir confiança, saber mandar e motivar as pessoas com quem irá trabalhar. Ou seja, se você realmente deseja ser chefe, está na hora de começar a se dedicar mais à sua oratória.

O que te diferencia dos grandes oradores? É mais simples do que você imagina. Eles possuem técnicas diferenciadas que os fazem iniciar e terminar uma fala mostrando à audiência exatamente onde querem chegar, conseguindo concatenar ideias e mantendo uma postura que transmita confiança e domínio do tema. Além disso, falam com eloquência suficiente para prender a atenção do público e fazê-los captar a mensagem que deseja passar.

Por isso, é preciso deixar muito claro que a oratória pode (e deve) ser aplicada em muitas áreas da vida: como dar uma palestra, como ministrar uma aula, como defender seu ponto de vista em uma reunião, como ser um vendedor mais convincente, entre milhares de outros exemplos.

Pare um segundo e pense na sua própria vida, na sua profissão, no local onde você trabalha, e reflita sobre como isso pode transformar sua vida.

Como dar o próximo passo?

Agora que você já sabe o que é oratória e como a falta dela está te impedindo de subir na vida, você deve estar se perguntando: “ok, entendi, mas como eu faço para melhorar a minha oratória?”. Pensando nisso, eu criei um curso para te ensinar todos os segredos para aprender a falar bem em público, com diversas dicas práticas que você poderá aplicar imediatamente na sua vida. Para saber mais, entre em http://www.guiadaoratoria.com e confira nosso curso.